Navegando em Águas Agitadas

Nestes dias de hoje, tão incertos quanto acertar a previsão do tempo, está cada vez mais difícil e quase impossível navegar em mar de almirante*.

As empresas hoje não passam de barcos, grandes, pequenos, a remo, veleiros ou lanchas rápidas, navegando em conjunto ou isoladamente neste mar corporativo. Algumas delas participando de regatas ao redor do mundo para ver quem chega primeiro com aquela tecnologia de ponta, outras são como grandes cargueiros e petroleiros levando e trazendo aquilo que é básico e sem fazer alarde.

Por isto achei interessante fazer este paralelo e tirar deste mundo aquático, algumas lições para nossa vida corporativa.

- Saiba sempre onde você vai navegar e como pretende chegar ao seu destino. Sua experiência em outros mares, lagoas e afins, não vão garantir seu sucesso em um local desconhecido. Tenha todas as informações à mão, acredite nos “nativos” e tire o melhor proveito de seu conhecimento; isto poderá fazer a diferença entre chegar ou não.

- Tenha sua própria bússola. Os barcos ao lado não servem como referência, eles podem estar indo para outros lugares e com outros objetivos.

- Precisamos de velas e lemes fortes que aguentem o tranco e não se quebrem na hora que mais for necessário. Verifique e ajuste as velas sempre que necessário, de acordo com o vento e o caminho a ser seguido. Marés, correnteza, marolas e ventos podem modificar a direção. Nem sempre o barco vai para onde a proa aponta.

- Todo barco deve ter um capitão que efetivamente tome as decisões. Falta de decisão deixará o barco à deriva e qualquer resultado – bom ou ruim – deve ser esperado. E se mais gente entra para tomar decisão, maior o risco do barco ser direcionado para onde não conseguirá voltar mais. É o capitão que deve levar o barco para o destino correto.

- Você pode ter os melhores equipamentos eletrônicos e garantir que sua acurácia é indiscutível, mas o equipamento só fornece as informações, eles não as interpretam. Seu papel é analisar os resultados e definir as ações a serem tomadas.

- Sempre tenha backup ou alternativas. Uma bomba de porão funcionando corretamente pode evitar uma inundação a bordo. Agora, se a bomba parar de funcionar, tenha uma de reserva para não encher o barco de água… baldes e garrafas também são backups.

- Valorize todos os membros da tripulação, independente da função. Mestre, contramestre, imediato, timoneiros, maquinistas e etc. Eles são sua equipe e estarão com você em toda a jornada.

- Tenha sempre o seu colete salva vidas perto ou em local de fácil acesso e de fácil manuseio, você nunca vai saber quando precisará dele. Pode ser que caia na água em algum momento inesperado.

- Saiba quais são os limites do seu barco. Quando um barco navega fora das condições às quais foi projetado, fica muito vulnerável às mudanças das águas e os resultados podem não ser os melhores.

E por último, não exceda a capacidade, tanto das máquinas quanto das pessoas.

Não importa a sua experiência ou idade, navegar no mundo corporativo não é tão simples quanto parece e nem tão complicado como possa imaginar. Encontre as pessoas certas, leia as cartas náuticas, entenda o caminho e boa viagem.

Pense nisto.

*Mar de Almirante é uma expressão usada pelos navegantes quando o mar está calmo, sem ondas. Almirante é a mais alta patente na Marinha. Por isso o nome.

Sobre BIZZETTO, Marco Aurelio

Marco Aurélio BIZZETTO acredita que o mundo pode ser bem melhor se focarmos novamente nas pessoas, em suas competências e principalmente suas diferenças. É administrador de empresas, especialista em Psicologia Oganizacional e MBA em Gestão de Projetos pela POLI-USP. Professional e Executive Coach pela SBC.
Esta entrada foi publicada em CF Gestão. ligação permanente.