O Testamento de Hermenegildo

Outro dia me deparei com uma situação muito comum nestes dias de crise. Uma demissão. Vi Hermenegildo (“seu” Hermê) ser demitido sumariamente.

Coitado dele, dava o sangue pela empresa. Conseguiu fazer bastante coisa neste tempo que ficou conosco, mas ainda tinha um monte de outras para realizar. Tinha paixão pelo que fazia e, principalmente, aquele sentimento paternal para com suas realizações, tanto passadas quanto planejadas. Fora demitido.

Seu Hermê tinha bastante coisa na cabeça que não estava no papel. Tinha um histórico grande sobre as coisas, sabia diversos números de cor. Conhecia os riscos e requisitos de cada uma de suas aspirações e objetivos, sem esquecer de todas as pessoas que seriam impactadas com suas realizações. Perderam-se os históricos.

Encontramos dentro de sua gaveta um envelope com os dizeres: “Abram quando eu não mais estiver por aqui.” Dentro do envelope, um papel com um post-it.

No post-it, estava escrito: Se você está vendo isto, é porque fui embora. Leia.

___________________________

O TESTAMENTO

Eu, José Hermínio Gonçalves de Arruda Sobrinho, de nacionalidade brasileira, casado, gerente de operações, inscrito no CPF como todos os trabalhadores normais, matrícula de número 00000234, estando em perfeito juízo e pleno gozo de minhas faculdades intelectuais, sem nenhuma intervenção e livre de qualquer induzimento ou coação, resolvo lavrar o presente testamento particular no qual exaro minha última vontade, pela forma e maneira seguinte:

PRIMEIRO: Coloquem todas as culpas em mim. Tudo que deu errado, porém utilizem esta saída também para recomeçar aquilo que é importante e não saiu do lugar (por culpa minha, é claro).  Não estarei por aí para me defender e nem para explicar os porquês.

SEGUNDO: Não deixem a peteca cair. As coisas acontecem nesta empresa porque existem pessoas que acreditam em mudança e que incluir uma ou outra atividade a mais nas suas tarefas diárias não vai matar ninguém. Espero que vocês procurem estas pessoas e as utilize tanto quanto puderem. São elas que sabem onde estão os problemas e como resolvê-los.

TERCEIRO: Não abandonem os projetos em andamento porque ainda não possuem todos detalhes. Também não finjam que não sabem que está ocorrendo, esperando uma reclamação de não andamento. Se o projeto foi solicitado e aprovado, alguém identificou que a empresa estava precisando. Verifiquem se o objetivo ainda continua o mesmo.

QUARTO: Não deixem de acreditar nos “santos de casa”. Eles sim fazem milagres e precisam ser valorizados. Se não tem na hora, mandam buscar. Não adianta valorizar na hora que eles pedem demissão.

QUINTO: Definam prioridades e se esforcem para cumpri-las. Tente mostrar para os gestores que, para priorizar algo novo, alguma das prioridades existentes e suas datas poderão não ser alcançadas. Tente alinhar as prioridades entre todos, caso contrário vocês terão cinco coisas como prioridades urgentíssimas.

QUINTO: Me liguem se algum apoio se fizer necessário. Não morri ainda (espero que não tenha sido este o motivo de você estar lendo isto).

ÚLTIMO: Por último, mas não menos importante. Valorize a família mais que o trabalho. Trabalhe, mas não esqueça de quem te espera em casa e te dá apoio para continuar. Eu fiquei muito longe de casa e não vi meus filhos crescerem.

Declaro não existir testamento anterior em qualquer de suas formas legais. Nada mais tendo a lavrar, dou por encerrado o presente testamento na memória de todas as testemunhas que interagiram comigo neste tempo todo. Elas sabem o quanto isto é a expressão da verdade e podem confirmar minhas vontades em juízo, de conformidade com a lei. Dou, assim, por concluído este meu testamento particular.

Sejam felizes.

Outra coisa: Acreditem em tudo o que for dito sobre a minha despedida e não questionem, não vai adiantar. Aposto com vocês que para cada vez que a pergunta for feita, uma versão diferente será contada e nenhuma delas vai “bater” com a versão que recebi.

Hermê

 

Sobre BIZZETTO, Marco Aurelio

Marco Aurélio BIZZETTO acredita que o mundo pode ser bem melhor se focarmos novamente nas pessoas, em suas competências e principalmente suas diferenças. É administrador de empresas, especialista em Psicologia Oganizacional e MBA em Gestão de Projetos pela POLI-USP. Professional e Executive Coach pela SBC.
Esta entrada foi publicada em CF Gestão. ligação permanente.